BIOMEET Sessions 2023 – Inovação Biotecnológica ao serviço da Agricultura

P-BIO

21 de junho de 2023

 

A P-BIO esteve presente na edição de 2023 da Feira Nacional de Agricultura/Feira do Ribatejo (FNA 23), realizada entre os dias 3 e 11 de junho no Centro Nacional de Exposições (CNEMA), em Santarém. O maior evento agrícola nacional teve como tema o ovo, simbolizando os superalimentos, tendo contado com 32 ações (entre Seminários e Encontros Empresariais) e recebido cerca de 200 mil visitantes.

Continuando com o seu ciclo das BIOMEET Sessions, a P-BIO organizou, em parceria com a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), e no âmbito do projeto AgroBioTech, um workshop dedicado a soluções biotecnológicas desenvolvidas em Portugal com aplicações na agricultura, sob o tema “Inovação Biotecnológica ao serviço da Agricultura”. A sessão, realizada a 7 de junho, contou com quatro empresas biotecnológicas portuguesas que tiveram a oportunidade de apresentar o seu trabalho e a sua visão acerca do uso da biotecnologia na agricultura.

As empresas convidadas estão na vanguarda do desenvolvimento de soluções biotecnológicas, tendo apresentado soluções nas áreas de produção de plantas melhoradas (GreenClon), processamento de algas à escala industrial (Algae for Future – A4F), transformação de óleos alimentares usados em detergentes (EcoX), e utilização de insetos como matérias-primas (EntoGreen). As soluções apresentadas pelas quatro empresas centram-se na economia circular, segurança alimentar e sustentabilidade ambiental, tendo potencial para revolucionar a agricultura e a bioeconomia, através da transformação dos sistemas agroalimentares e florestais nacionais.

O workshop contou com uma mesa-redonda dedicada aos desafios, oportunidades, barreiras e necessidades da aplicação de soluções biotecnológicas na agricultura, moderada por Maria de São Luís Centeno, Diretora de Serviços do Território e Agentes Rurais da Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR). Entre os presentes, existiu um consenso generalizado acerca da enorme dificuldade em investir em Investigação e Desenvolvimento (I&D), dado o capital necessário. Gonçalo Ferreira, Technology Transfer Officer na EntoGreen, referiu que na fase de arranque de uma ideia/empresa, o seu desenvolvimento é comummente suportado por apoios, fundos, prémios, entre outros, mas que para garantir a vitalidade e viabilidade futura de uma empresa é crucial que o produto seja de valor acrescentado permitindo alavancar o investimento em I&D. “Só assim será possível gerar produtos inovadores, sustentáveis, ricos do ponto de vista nutricional, etc.”.

Outro desafio foi apontado pelo Chief Executive Officer da EcoX, César Henriques que indicou a dificuldade de produtos novos no mercado competirem com o preço e com o afeiçoamento do consumidor perante outras grandes marcas. Laura Monteiro, Senior R&D Project Manager na A4F, complementou mencionando a falta de legislação e a dificuldade de classificação de novos produtos como grandes entraves na maioria dos casos em que surge um novo produto. Todos os presentes, ainda que em áreas de atuação diferentes e com os seus desafios específicos, confessaram sentir na pele, esta dificuldade ao longo do percurso das suas empresas.

No que toca a soluções, foi sugerido que o incentivo à implementação de economia circular pode passar pela consciencialização da população e de legislação que beneficie aqueles que integram mecanismos desta natureza no seu plano de negócio.

Compartilhe esse artigo