STEX

STEX

Powering a carbon neutral society by zero emissions biofuels

A STEX é uma spin-off de um grupo que no Brasil de 2012 a 2017 desenvolveu o processo para obtenção de Bioetanol a partir dos resíduos de Eucalipto. Em 2015 verificamos que a Europa tinha um arcabouço legal mais maduro e oportunidades não exploradas para a implantação do nosso conceito de Biorrefinarias (pequena escala, flexíveis e modulares). Em 2019 firmamos uma parceria tecnológica com o LNEG (Laboratório Nacional de Energia e Geologia), abrimos uma nova empresa 100% Portuguesa e começamos a operar dentro das instalações do LNEG em Lisboa uma planta piloto.

A nossa tecnologia principal irá contribuir para a transição para uma sociedade neutra em carbono através de biocombustíveis líquidos com emissões neutras, obtidos a partir de resíduos, sejam eles biomassa residual florestal (RSU), agrícolas ou os resíduos sólidos urbanos (RSU).

No caso da BRF, pretendemos mudar a forma como olhamos a exploração florestal. Hoje os troncos são utilizados para a indústria de papel e serração e a BRF é vista como uma fração penosa e que se precisa remover por obrigações das prevenções contra incêndios. Estes ainda acontecem, infelizmente, e a BRF é utilizada apenas para queima direta. A nossa proposta é extrair produtos úteis, como o Bioetanol, antes da queima, aumentando o valor agregado, criando novos mercados e gerando empregos, ao mesmo tempo que se mantém a sustentabilidade da floresta.

No caso dos RSU, em Portugal, mais de 50% ainda têm como destino final o aterro. A nossa tecnologia permite produzir bioetanol a partir destes resíduos, além de composto e biometano, num processo com desenvolvimento integral com o LNEG. De maneira que é possível “atacar” dois problemas de uma única vez: reduzir o RSU através de sua valorização e contribuir para a mitigação das emissões de gases de efeito estufa.

www.stex.pt